Tudo que você precisa saber sobre a lei do inquilinato

Criada para regularizar o mercado de locações, residenciais ou comerciais, a Lei do Inquilinato trata dos direitos e deveres do locatário após assinar um contrato de locação. Para os corretores de imóveis, é imprescindível estar por dentro dessas as regras, para definir cláusulas  e orientar inquilinos e proprietários da melhor maneira.

Listamos para você os principais tópicos da Lei que podem ser muitos valiosos na hora de negociar com seus clientes. Dá uma olhada!

Prazos
Contratos de aluguel podem acordar prazos determinados ou indeterminados, nos dois casos, a finalização do contrato pode ser solicitada pelo inquilino, porém, as modalidades de renovação podem divergir. Em contratos com período delimitado, ao atingir o prazo, a renovação é feita automaticamente, enquanto que em contratos indeterminados o término pode ser dado por motivo de inadimplência e outros encargos.

Devolução
A alteração de 2010 na Lei do Inquilinato reduziu para 45 dias o prazo máximo para a devolução do imóvel — prazo que no texto anterior da lei poderia ser protelado por até três anos. Bem como o prazo de despejo que foi de seis meses para trinta dias em contratos com garantia, já para os acordos sem essa cláusula, o pedido de desocupação por falta de pagamento é de até 15 dias.

Em casos de mudança necessária por motivo de trabalho, o inquilino será preciso notificar o proprietário com 30 dias de antecedência. Em caso de falecimento do locador responsável, o contrato é transmitido aos seus herdeiros.

Quebras de Contrato
Caso o inquilino venha a quebrar o contrato com o locador do imóvel antes do prazo mínimo estipulado, deverá pagar um valor proporcional ao período faltante para o vencimento.

Também é possível que ambas as partes combinem no contrato um percentual para a situação. Na ausência de qualquer valor pré-determinado, cabe solicitação de ação judicial.

Usado como garantia, para assegurar o pagamento ao locador, o valor do caução, que costuma ser de três meses de aluguel, deve ser devolvido ao inquilino em casos que não há atrasos na entrega do imóvel, ou necessidade de reparação de danos. Mas se houver confirmação de dano na estrutura causado pelo locatário, o valor pode ser usado pelo proprietário para cobrir os gastos de recuperação e reforma. Já em casos de quebra de contrato, o valor também pode ser aplicado como multa.

A aplicação da lei

Válida desde o momento da assinatura do contrato, as aplicações da Lei do Inquilinato visam proteger locadores e locatários de práticas abusivas como: a exigência de mais de um tipo de garantia, aumento abusivo do aluguel, excesso de taxas. Além de assegurar o cumprimento dos direitos e deveres de ambas as partes em situações como mudanças emergenciais nas estruturas do imóvel, quebra de contrato, despejo e saída do inquilino por motivos profissionais.

A lei também pode ser aplicada em qualquer problema de transação, por isso o ideal é buscar o aconselhamento e suporte de um advogado ou imobiliária nessas situações.

Passe mais segurança aos seus colaboradores, procure entender a legislação acerca do assunto

Como ser um corretor de sucesso

Assim como em qualquer área de trabalho, quem deseja se destacar e ter sucesso, precisa ir além do básico e investir na profissão. Em um mercado tão concorrido como o imobiliário, fechar um negócio pode não ser o suficiente para alcançar uma boa relevância, muitas vezes, para alcançar destaque, é preciso fidelizar seus clientes para futuro negócios e assim consolidar seu nome na área.

Preparamos algumas dicas para você alcançar seu sucesso profissional merecido!

Conheça o mercado


Tudo o que acontece no mercado imobiliário, pode afetar direta ou indiretamente o seu trabalho, então, antes de tudo, procure entender todas as nuances do setor.
Fique por dentro do cenário econômico, da construção civil, entenda as leis que orientam o setor, entenda como funcionam as documentações e contratos. Assim, você pode identificar os dados que podem ajudar ou atrapalhar seu trabalho e traçar novas estratégias para contornar as dificuldades.

Divulgue seu trabalho


Atualmente, grande parte das transações imobiliárias têm início no ambiente digital, Por isso, é importante estabelecer sua presença online de forma acessível e profissional. Invista em um bom site imobiliário, que seja responsivo e adaptável para o mobile, afinal, como já comentamos aqui, cerca de 95,5% das pessoas conectam-se a internet por seus celulares.
Nas redes sociais, marque sua presença produzindo conteúdos para blog, postagens no Facebook e Instagram que mostrem seu conhecimento e experiência no mercado imobiliário para passar mais segurança ao seu público-alvo. Lembre-se de produzir conteúdos que sejam relevantes, originais e atualizados para seus potenciais clientes.

Crie um relacionamento com o cliente

Para estabelecer uma relação de confiança e conseguir a fidelização do seu cliente, procure meios de oferecer um atendimento personalizado. Um bom Customer Relationship Manager (CRM) em seu site pode ser muito útil para reunir e armazenar as preferências do cliente em seu site, como tipo de imóvel, região, faixa de preço, etc. Essas informações serão valiosas para a individualização do seu atendimento.
Além disso, evite pressionar seu cliente para fechar o negócio, busque não se incomodar com a quantidade de perguntas, elas demonstram interesse, e é imprescindível que o corretor seja educado, transparente e ético.
Por fim, a ação mais inteligente para um corretor é saber ouvir as necessidades do cliente que ele dê mais informações sobre estilo de vida, características do imóvel que procura e até dados mais pessoais como informações sobre a família. Essa escuta é definitivamente essencial para o processo de busca do imóvel, então mantenha-se paciente e amigável.

Seja organizado e acessível

As negociações de venda ou locação podem levar semanas, até meses, e com certeza você não terá apenas um cliente. Por isso, se programe para que você, não só esteja a disposição para conversar com seus clientes, mas que tenha organizado as preferências, necessidades e informações de cada cliente sob controle.
Isso é essencial para evitar misturar nomes ou solicitar repetidamente as mesmas informações que ele já deu, isso pode passar uma impressão errada de desatenção ou falta de interesse.

Ser acessível é um dos maiores requisitos da profissão, afinal uma venda ou locação pode acontecer em qualquer horário! Procure manter-se preparado e disponível para esse momento. A IZEE pode te ajudar a agilizar esse processo, saiba mais aqui.

Como investir no mercado imobiliário em 2020

O mercado imobiliário passa por uma nova onda de otimismo. Com as quedas sucessivas das taxas de juros, e condições cada vez mais atrativas de financiamento o setor está encontrando o caminho para ter uma saída positiva de 2020.

As condições atuais do setor

Decorrente de uma pandemia que pegou de surpresa o mundo todo, a crise econômica de 2020 afetou praticamente todos os setores, incluindo o imobiliário. Porém, algumas medidas como o corte ainda mais drástico de juros, deixaram o crédito imobiliário mais barato, tornando o retorno dos imóveis – seja pela valorização, seja pelos aluguéis – mais atrativo que o retorno da renda fixa conservadora.

Com a Selic tão baixa, investidores têm migrado para ativos com um pouco mais de risco do que as aplicações conservadoras mais tradicionais, atreladas ao CDI, em busca de maiores retornos.

Os segmentos preferidos

Os segmentos de maior destaque nessa migração são os mais defensivos, isto é, aqueles com maior capacidade de resiliência em épocas de crise:

  • Lajes corporativas – Localizados em áreas centrais da cidade de São Paulo e alugados para grandes empresas. Esses imóveis também tendem a ter inquilinos com melhor risco de crédito, grandes empresas com boa capacidade de pagamento e baixo risco de inadimplência.
  • Galpões logísticos – Por contarem com contratos específicos que tiram o risco de o aluguel ser revisado para baixo ou de o fundo perder a receita antes do término do contrato por uma vacância repentina, essas locações são consideradas as mais defensivas e ideais para quem busca um investimento com rentabilidade mais estável.
  • Fundos de fundos (FOFs) – diversificar é importante para investir de forma inteligente, e com as incertezas da crise, a diversificação torna-se ainda mais crucial. Uma ótima pedida para investidores que não têm muitos recursos para diversificar adequadamente, são os FOFs (Found of Founds).
  • Fundos de papel – Também conhecidos como fundos de crédito, são fundos que investem em ativos de renda fixa atrelados ao mercado imobiliário, como os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e que costumam ter volatilidade menor que os fundos de tijolo.

Aproveite o momento para preparar seu terreno de investimentos e saia da crise mais forte! Continue acompanhando nosso blog para ficar sempre por dentro das novidades sobre o mercado imobiliário.

Como reduzir a burocracia na locação

A locação de um imóvel, como qualquer negócio que envolve aporte jurídico, passa por um processo envolto de burocracias.

Afinal, é preciso que se certificar que a elaboração do contrato, suas cláusulas, multas e obrigações estejam de acordo para ambas as partes e também atualizada à legislação.

Mas você pode diminuir a burocracia desnecessária, sem deixar de garantir a segurança da relação para ambas as partes. Trouxemos 3 práticas que podem ajudar a tornar sua negociação mais simples e ágil.

Digitalização dos processos

A tecnologia é a principal aliada na simplificação de processos burocráticos de diversos setores. Suas aplicações e soluções são diversas, desde viabilizar e melhorar a comunicação  com o cliente, à aceleração dos processos.

A demora no trâmite da locação é um dos principais motivos de desistência na hora de fechar o contrato. Para mudar essa situação na sua imobiliária, comece com a criação de um site responsivo e sempre atualizado, para facilitar o contato do cliente com os imóveis que estão sendo oferecidos, e com os atendentes.

O uso de ferramentas inteligentes, também podem facilitar o longo e cansativo processo de adequação e assinatura de contrato. Por exemplo, com a IZEE você consegue captar e armazenar todos os documentos de forma segura na nuvem, também pode atualizar em tempo real a etapa do processo, com muita transparência para que ambas as partes possam acompanhar o passo a passo. Além de tudo isso, o contrato pode ser assinado de maneira digital dentro da plataforma, diminuindo todo o processo para menos de 2 horas!

Gestão de riscos

Um dos fatores responsáveis pela burocracia do processo de aluguel são os riscos de crédito que a relação exige, pois demandam uma análise minuciosa e efetiva a fim de resguardar a saúde financeira de sua imobiliária.

Como é um processo necessário, que não pode ser descartado, a dica aqui é buscar alternativas mais simples e ágeis de garantir a segurança do contrato.
Um ótimo recurso para que sua imobiliária possa reduzir os riscos de inadimplência e dar respostas de aprovação mais rápidas ao cliente, é a análise de crédito, que, em geral, traz informações armazenadas em bancos de dados de empresas especializadas na avaliação de riscos em transações.

Outra medida que vem se popularizando é o uso do limite do cartão de crédito como garantia de capacidade de pagamento. Essas alternativas reduzem significativamente o tempo e a burocracia para o fechamento de contrato, e podem ser realizadas de maneira online.

Mantenha-se atualizado

Ponto importante para a sobrevivência de qualquer empresa, manter-se atualizado e buscar sempre aumentar sua especialização na prestação de serviços imobiliários, é primordial para que sua imobiliária mantenha um ritmo de constante crescimento e otimização.

Além de manter-se atualizado, como gestor motive e auxilie os corretores e demais colaboradores a também desenvolver novas habilidades.

Há diversas opções de cursos, workshops com especialistas do mercado imobiliário, presenciais e online, que podem enriquecer muito a experiência de sua equipe, que terá novos conhecimentos para melhorar a prestação dos serviços, expandir os horizontes da imobiliária e se alinhar com as novas tendências do mercado.

A IZEE está com você nesse processo de desburocratização, conheça nossa plataforma e esteja pronto para o sucesso da sua imobiliária!

Tudo que você precisa saber sobre Seguro Residencial

Apesar de ficar mais popular a cada ano, um levantamento da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg) constatou que menos de 15% das residências brasileiras têm seguro.

Um dos motivos que podem explicar esse percentual tão baixo é a falta de informação sobre seu funcionamento. Por isso, trouxemos neste artigo todos os tópicos essenciais sobre seguros residenciais, como funcionam, o que podem cobrir e pontos que você deve prestar atenção antes de assinar o contrato.

Como funciona
O valor do seguro é calculado de acordo com a valor do imóvel e de uma estimativa de custo dos bens que o integram. A partir disso, chega-se a um valor do seguro residencial básico que, de maneira geral, cobre casos de incêndios, queda de raios ou explosões. Além dos planos básicos, é possível solicitar diversas outras coberturas, como cobertura contra danos elétricos, roubo, vendaval e responsabilidade civil que serão acrescentadas ao valor.

Muitos seguros disponibilizam também assistências 24 horas para serviços como chaveiro, eletricista, encanador, entre outros.

O que o seguro não cobre
As situações que são cobertas pelo seguro varia de empresa para empresa. E para assegurar que seu plano seja satisfatório para você, redobre a atenção no tópico “riscos excluídos”, presente no manual do segurado. Os pontos excluídos costumam ser falhas na construção, furtos sem arrombamento e defeitos preexistentes.

Obrigações da seguradora
A seguradora deve cobrir tudo o que estiver descrito no contrato acordado entre as partes, por isso leia a apólice do seguro com muita atenção antes de assinar.

No que diz respeito à indenizações, a regra é de que o valor seja limitado ao valor contratado em cada cobertura. Se a cobertura de incêndio contratada é de 100 mil, a indenização vai se restringir à esse valor, independente do prejuízo ocorrido.
O seguro imobiliário
O seguro imobiliário, costuma reunir diversas propostas dos seguros residenciais e empresariais em um único lote, e é um contrato obrigatório para imobiliárias e empresas que administram imóveis.

Por isso, faça questão de realizar diversas pesquisas sobre os precedentes da corretora ou empresa que visa contratar. Confira feedback de seus consumidores nas plataformas da empresa, e seu nível de reclamações. Com uma corretora de confiança, você garante a segurança do seu inquilino e a conservação do seu imóvel.