Os efeitos da Pandemia no Mercado imobiliário

No início de 2020, o mercado imobiliário estava otimista. Com uma alta de 3% o setor prometia ser um dos principais motores da economia brasileira para esse ano. No entanto, assim como toda a economia mundial, o setor foi surpreendido pela pandemia e o otimismo cedeu lugar à cautela.

Diversas situações de crise foram enfrentadas nos últimos anos, seguidos de retomadas significativas e prosperidade. Em 2008, por exemplo, a queda do setor imobiliário dos Estados Unidos trouxe fortes consequências para o mundo todo, porém, foi logo no momento pós-crise que a economia brasileira começou a dar sinais de melhora, com valorização imobiliária de 121% nos cinco anos seguintes.
Novamente em 2014 o cenário econômico não estava muito animador. Com o enfraquecimento na economia nacional, e incertezas políticas que jogaram as taxas de juros para as alturas. Os primeiros sinais de recuperação começaram a surgir em 2018 o que nos trouxe para o cenário otimista do início deste ano, em que o mercado da construção civil chegou a representar de 8 a 10% do PIB nacional.
Trouxemos essa breve retrospectiva para lembrar que já passamos por crises antes e outras ainda virão, e por mais que não seja algo fácil de lidar, a persistência e habilidade para se adaptar às novas formas de negócio são imprescindíveis. 

As consequências imediatas.

Nem todas as mudanças no mercado imobiliário foram causadas pelo surgimento do COVID-19, porém com certeza as tendências que já estavam em curso, se intensificaram e ganharam ainda mais destaque.
Por exemplo, as dificuldades para estabelecer contato com clientes finais, apresentar produtos e fechar contratos, que já estavam sendo sentidas antes por imobiliárias que ainda estavam engatinhando em seus processos online, agora veem a necessidade ainda maior de modernizar-se.
Quando a situação começou a se agravar no país, as imobiliárias e seus corretores passaram por um processo, quase forçado, de digitalização, principalmente para dar continuidade a contratos que já estavam em andamento, finalizando o processo de venda e/ou locação de maneira segura para todas as partes.


Manter o relacionamento com os clientes


Uma pesquisa feita pelo Grupo Zap, no mês de abril, demonstrou que devido às incertezas econômicas, os consumidores têm optado por adiar a decisão de compra e locação. O ideal é aproveitar das ferramentas digitais para manter o contato para aproximar-se dos clientes em processo de negociação. Como já comentamos, as tecnologias aplicadas ao mercado imobiliário, como a IZEE, permitem abreviar alguns processos que tradicionalmente ocupam grande parte do tempo do corretor.
É importante frisar que o comportamento mais autônomo dos clientes é uma tendência que já estava aparecendo antes da pandemia, cada vez mais eles têm desejado o acesso cada vez mais direto às informações necessárias para tomarem suas decisões.


Mudanças previstas para o futuro

A economia e o mercado imobiliário não voltarão magicamente para o patamar que estavam no final de 2019, com uma uma grande contração prevista para o segundo trimestre deste ano de 2020.
É difícil prever o que irá acontecer com os preços dos imóveis nos próximos meses, cada imóvel será único, o padrão por amostragem não fará mais efeito e o Big Data será a principal ferramenta de análise imobiliária a partir de então.
Os micro-apartamentos que estavam se popularizando, aparentemente não serão mais tão procurado. Com o fim da quarentena, o comportamento previsto é que os moradores de pequenos espaços busquem mais m². Além disso, varandas, terraços e rooftops que já são comodidades valorizadas, serão ainda mais procuradas e o espaço do escritório em casa também se tornará uma oferta mais padrão. 

Ainda é difícil prever como será o “novo normal” do mercado, mas é certo de que a atual popularização de softwares e ferramentas digitais que já permeavam o setor, se tornarão essenciais.
Não perca tempo, traga sua imobiliária para a IZEE e mantenha-se relevante no mercado de locação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *