Como investir no mercado imobiliário em 2020

O mercado imobiliário passa por uma nova onda de otimismo. Com as quedas sucessivas das taxas de juros, e condições cada vez mais atrativas de financiamento o setor está encontrando o caminho para ter uma saída positiva de 2020.

As condições atuais do setor

Decorrente de uma pandemia que pegou de surpresa o mundo todo, a crise econômica de 2020 afetou praticamente todos os setores, incluindo o imobiliário. Porém, algumas medidas como o corte ainda mais drástico de juros, deixaram o crédito imobiliário mais barato, tornando o retorno dos imóveis – seja pela valorização, seja pelos aluguéis – mais atrativo que o retorno da renda fixa conservadora.

Com a Selic tão baixa, investidores têm migrado para ativos com um pouco mais de risco do que as aplicações conservadoras mais tradicionais, atreladas ao CDI, em busca de maiores retornos.

Os segmentos preferidos

Os segmentos de maior destaque nessa migração são os mais defensivos, isto é, aqueles com maior capacidade de resiliência em épocas de crise:

  • Lajes corporativas – Localizados em áreas centrais da cidade de São Paulo e alugados para grandes empresas. Esses imóveis também tendem a ter inquilinos com melhor risco de crédito, grandes empresas com boa capacidade de pagamento e baixo risco de inadimplência.
  • Galpões logísticos – Por contarem com contratos específicos que tiram o risco de o aluguel ser revisado para baixo ou de o fundo perder a receita antes do término do contrato por uma vacância repentina, essas locações são consideradas as mais defensivas e ideais para quem busca um investimento com rentabilidade mais estável.
  • Fundos de fundos (FOFs) – diversificar é importante para investir de forma inteligente, e com as incertezas da crise, a diversificação torna-se ainda mais crucial. Uma ótima pedida para investidores que não têm muitos recursos para diversificar adequadamente, são os FOFs (Found of Founds).
  • Fundos de papel – Também conhecidos como fundos de crédito, são fundos que investem em ativos de renda fixa atrelados ao mercado imobiliário, como os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e que costumam ter volatilidade menor que os fundos de tijolo.

Aproveite o momento para preparar seu terreno de investimentos e saia da crise mais forte! Continue acompanhando nosso blog para ficar sempre por dentro das novidades sobre o mercado imobiliário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *