Luz no fim do túnel: o setor logístico na pandemia

Devido às medidas necessárias para conter a pandemia, diversos setores da economia nacional e internacional. Porém, essas medidas também tornaram-se impulsionadoras da renovação de muitos negócios, grandes e pequenos, para diminuir os impactos da nova crise.

O e-commerce foi a estratégia mais usada para superar esse período e, se mesmo antes da crise esse setor de comércio eletrônico representava uma parcela crescente entre os inquilinos de condomínios logísticos do país, a demanda aumentou ainda mais para atender às necessidades das novas empresas que se adaptaram à modalidade de e-commerce.

Por isso, o mercado de imóveis logísticos foi um setor que conseguiu se manter estável e, em determinadas áreas de atuação, foi até alavancado durante a crise.

A importância dos galpões logísticos

Essenciais para otimizar a capacidade de armazenamento de empresas que trabalham com venda de produtos, os galpões logísticos facilitam a organização e controle de tudo que entra e sai, além de deixar a movimentação mais prática.

Vantagens do aluguel do galpão

Uma das principais vantagens de alugar o galpão logístico, é o custo de investimento, bem menor em relação a comprar ou construir. Mas além disso, não ser dono do próprio galpão facilita sua troca, caso precise aumentar ou diminuir a necessidade de espaço.

As empresas que oferecem serviços de aluguel de galpões logísticos são especializadas e assim podem oferecer mais do que a boa estrutura. Muitas vezes seus serviços incluem equipes de manutenção capacitadas, assim como acessórios e outros itens que podem ajudar nos processos.

O retorno do investimento

Por ser uma demanda recente no Brasil, ainda há uma certa insegurança dos investidores em relação aos riscos envolvidos nesse tipo de operação. Apesar disso, sua implantação e desenvolvimento têm ganhado força na última década, e cresce a cada ano.

Especialmente durante o período da pandemia, esse modelo de negócio têm mostrado sua a força e  importância, já sendo considerado um dos mais promissores no país. Pois a escassez de opções no mercado e sua capacidade de enfrentar crises, demonstram uma projeção de aumento no preço de venda por metro quadrado da propriedade logística, chamando a atenção de investidores que buscam retornos melhores, já que investimentos nesse tipo de móvel já estão trazendo mais retornos que investimentos financeiros de renda fixa.

Continue acompanhando nosso blog e saiba tudo que acontece no mercado imobiliário!

Conhecimento e inspiração: 6 livros que todo corretor precisa ler

Não dá pra escapar, em todas as áreas, os profissionais precisam de constantes atualizações e novos conhecimentos para manter-se relevante, principalmente em um mercado tão competitivo como o imobiliário. Palestras, filmes e livros são grandes aliados nessa missão enriquecedora que também pode ser bastante agradável.

Para guiá-lo nessa busca de conhecimento e inspiração, listamos 6 obras incríveis que trazem conceitos mais diretos sobre técnicas de vendas e de corretagem, e também conceitos essenciais para empreendedores iniciantes, como a importância do autoconhecimento, da inteligência emocional e da criatividade para se destacar em relação à concorrência. Confira:

1. Guia prático do corretor de imóveis

Essa obra, extremamente técnica de Sylvio de Campos Lindenberg Filho, apresenta métodos específicos para a corretagem de imóveis. A linguagem tem um tom tutorial, mas com uma fundamentação técnico-científica mais aprofundada.

Ele é ideal tanto para corretores que estão começando, mas também tem bons insights para profissionais de longa data. Afinal, possui uma série de ensinamentos ideais para te ajudar a vender mais imóveis, bem como melhorar a produtividade dentro do ambiente de trabalho.

2. “Inteligência emocional”, de Daniel Goleman

Já passou o tempo em que inteligência e emoção eram conceitos opostos. Hoje, inteligência é emoção. Nesse livro, o PhD Daniel Goleman mostra que para ter sucesso no mercado de trabalho, ter um QI alto não basta.

Saber lidar com suas emoções e dominar habilidades como a empatia, a persistência e a comunicação podem ser pontos chaves para você se destacar profissionalmente.

3. Receita previsível

Leitura obrigatória a todo empreendedor que quer obter sucesso, o livro Receita Previsível promete retirar empresários da posição de reféns das demandas do mercado. Através de uma metodologia revolucionária chamada Cold Calling 2.0, a obra tem uma abordagem objetiva, com passo a passo, para você entender como grandes cases se tornaram o que são hoje.

4. “Negocie qualquer coisa com qualquer pessoa”, de Eduardo Ferraz

A negociação faz parte do dia a dia do corretor, sendo uma das principais competências exigidas para a profissão. Se você deseja aprimorar essa habilidade, a obra de Eduardo Ferraz é essencial! O autor traz técnicas práticas para alcançar os melhores resultados em grandes e pequenos acordos, tanto na vida pessoal quanto profissional.

Você aprenderá, por exemplo, como lidar com clientes difíceis, como aumentar seus ganhos com a ajuda da negociação e como evitar conflitos no dia a dia.

5. “O desafio da liderança”, de Barry Posner e James Kouzes

Mesmo tendo sido lançado há mais de 20 anos, o livro de Kouzes e Posner continua sendo obrigatória para profissionais que desejam aprender a liderar.

Um dos principais conceitos defendidos ao longo da obra é que a liderança não é uma característica necessariamente inata, e sim um relacionamento que pode ser aprendido ao longo do tempo. Além disso, os autores defendem que os liderados só acreditam na mensagem se acreditarem no mensageiro, por isso, a credibilidade do é um dos pontos fundamentais do líder.

6. “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes”, de Stephen R. Covey

Uma adaptação do programa desenvolvido por Covey, nessa obra você terá acesso a estratégias que auxiliam a melhorar significamente o seu desempenho no trabalho, criando objetivos alcançáveis e também ensina como aprimorar aspectos da sua personalidade para atuar melhor em equipe.

Com um setor tão concorrido como o imobiliário, é importante que você estude e busque atualizar-se nas técnicas de vendas e gestão, além de estar sempre por dentro das novidades do mercado.

Inclua esses livros na sua biblioteca para melhorar sua gestão de sua equipe e lembre-se de buscar novas maneiras de deixar seus clientes mais satisfeitos com ferramentas digitais como a IZEE.

Conhecimentos Jurídicos essenciais para Corretores

Responsável por intermediar a negociação de compra, venda e locação de um imóvel entre as partes interessadas, o corretor de precisa estar atento às diversas tendências do mercado e, principalmente, conhecer bem as exigências legais de todo o processo.
Pensando na necessidade fundamental de manter seus conhecimentos jurídicos atualizados trouxemos os principais fundamentos do direito que devem fazer parte do vocabulário do corretor devido sua importância para a credibilidade da profissão.

Conceitos essenciais

Como citamos é fundamental para o corretor ter domínio sobre a área do direito imobiliário para a realização do seu trabalho. Para facilitar seu estudo, trouxemos os principais conceitos da área. No entanto, frisamos que, assim como diversas outras áreas, é preciso manter-se atento às eventuais atualizações nas leis e seus usos.

– usucapião: ocorre quando uma pessoa ocupou o imóvel por um longo período de tempo sem que o proprietário intervisse sobre a situação. Assim, a posse da propriedade passa para o morador atual;

– matrícula: serve para tornar o imóvel individual;

– escritura: documento feito em cartório que estabelece um contrato;

– alienação fiduciária: quando um credor tem a posse indireta de um bem pertencente ao devedor. O devedor reavém a posse total após quitar sua dívida;

– formal de partilha: documento que regulamenta os deveres e direitos sobre um bem imóvel de ambas as partes em casos de divórcio;

– adjudicação: documento que garante a transmissão da posse de um bem e os direitos legais associados a ele entre o credor e o proprietário inicial;

– hipoteca: utilização de imóveis como garantia para o pagamento de uma dívida;

– tabela price: ferramenta que permite calcular as prestações de um financiamento imobiliário;

– crédito imobiliário: crédito direcionado ao financiamento habitacional. Divide-se em Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) e Sistema de Financiamento Habitacional (SFH);

– denúncia cheia: denúncia que objetiva dar fim ao aluguel com base em uma justificativa;

– denúncia vazia: denúncia que objetiva a finalização de um contrato de aluguel com base em motivos pessoais do locador;

– habite-se: autorização para ocupar um imóvel recém reformado ou construído, após vistoria das autoridades competentes;

– benfeitorias: obras feitas no condomínio para garantir sua conservação;

– nota promissória: termo que garante o comprometimento do pagamento realizado a um beneficiário com um prazo estipulado;

– laudêmio: imposto cobrado sobre a compra ou venda de um imóvel presente no território da União;

– oferta pública: divisão de títulos mobiliários entre os investidores de um empreendimento imobiliário;

– permuta de imóveis: contrato que garante a troca entre dois bens equivalentes;

– retrovenda: cláusula que garante ao vendedor o direito de recompra do bem em um determinado prazo.

O uso no dia a dia profissional

A rotina do corretor é repleta de situações que são delimitadas por normas legais, que exigem condutas específicas. Com o conhecimento pleno do funcionamento desses termos, o corretor evita a ocorrência de problemas judiciais, e também alcança maior precisão na elaboração e solicitação de documentos, evitando possíveis erros e agilizando todo o processo de finalização do negócio. Além de passar credibilidade e segurança aos clientes.

Para mais dicas preciosas sobre como garantir sucesso em suas negociações, confira mais artigos como esse em nosso blog.

Os 4 passos essenciais para abrir sua imobiliária

Quando o assunto é mercado imobiliário, pensar e agir como empreendedor é essencial, tanto para o proprietário da imobiliária quanto para o corretor  autônomo.

Antes de abrir uma imobiliária, como qualquer outro negócio, é importante que você estude e entenda seu perfil de trabalho e conheça extensamente o cenário atual do setor e as possibilidades do mercado. Trouxemos alguns itens para você avaliar as possibilidades antes de fazer sua decisão. Dá uma olhada:


Capital para investir

Abrir um negócio envolve custos diversos. Antes de tudo, é fundamental que você faça também um CRECI jurídico, pois é o que irá permitir que você atue como imobiliária. Certifique-se de ter um CNPJ, escritório para atendimento, site, telefone e cartões de visita, para garantir maior credibilidade, que é muito importante para seus clientes.
Além disso, há os gastos iniciais com compra de móveis e equipamentos, instalação de água, luz, telefone. Afinal, você vai precisar de um espaço apropriado, tecnologia para ter qualidade e agilidade de trabalho, bons profissionais, documentações, entre outros processos e custos para manter um negócio.
É importante também que você prepare uma reserva para garantir o caixa, já que é comum que empresas levem algum tempo para dar lucro suficiente.

Captação de imóveis

Para garantir volume de fechamento satisfatório de vendas e aluguéis com regularidade, sua imobiliária precisará ter uma carteira de imóveis variada.
Se você acredita que ainda não tem tanta facilidade para captar imóveis, atuar como autônomo ao lado de imobiliárias parceiras pode ser um período de aprendizado enriquecedor para aperfeiçoar essa habilidade.

Gerenciamento de equipe

Outra experiência essencial para ter êxito na sua imobiliária: liderança de equipe.
Ser o responsável por uma imobiliária envolve uma grande capacidade de lidar com pessoas, incluindo clientes e colaboradores. Certifique-se de estar pronto para lidar com sua equipe, agir com disciplina, comprometimento, respeito e exalar motivação aos corretores de sua imobiliária.

Autogestão e estudo de mercado

Para empreender no mercado imobiliário você precisa ser um profundo conhecedor sobre ele. Isso significa estudar a movimentação do mercado nos anos anteriores e estar sempre de olho em tendências para os próximos, tipos de construção, cases de sucesso, bairros em que pretende atuar, melhores formas de divulgação, boas práticas de atendimento e formato ideal de negociação. Assim como qualquer empresa de outro ramo, ter uma imobiliária vai exigir uma excelente habilidade de administração e mesmo que você tenha condições de ter funcionários responsáveis para isso, você precisa estudar para entender todo o processo, e se tornar uma referência dentro de sua empresa.

Com a consciência de que o aprendizado nunca acaba, você consegue ir mais longe! Faça o seu planejamento, conheça o mercado e seu momento, trace metas e objetivos. Saiba analisar e aproveitar as oportunidades da melhor maneira e o mais importante: tenha vontade de aprender!

Para manter-se atualizado ao mercado imobiliário e as tecnologias que envolvem o setor, acompanhe nosso blog e siga nossas redes sociais.

Os efeitos da Pandemia no Mercado imobiliário

No início de 2020, o mercado imobiliário estava otimista. Com uma alta de 3% o setor prometia ser um dos principais motores da economia brasileira para esse ano. No entanto, assim como toda a economia mundial, o setor foi surpreendido pela pandemia e o otimismo cedeu lugar à cautela.

Diversas situações de crise foram enfrentadas nos últimos anos, seguidos de retomadas significativas e prosperidade. Em 2008, por exemplo, a queda do setor imobiliário dos Estados Unidos trouxe fortes consequências para o mundo todo, porém, foi logo no momento pós-crise que a economia brasileira começou a dar sinais de melhora, com valorização imobiliária de 121% nos cinco anos seguintes.
Novamente em 2014 o cenário econômico não estava muito animador. Com o enfraquecimento na economia nacional, e incertezas políticas que jogaram as taxas de juros para as alturas. Os primeiros sinais de recuperação começaram a surgir em 2018 o que nos trouxe para o cenário otimista do início deste ano, em que o mercado da construção civil chegou a representar de 8 a 10% do PIB nacional.
Trouxemos essa breve retrospectiva para lembrar que já passamos por crises antes e outras ainda virão, e por mais que não seja algo fácil de lidar, a persistência e habilidade para se adaptar às novas formas de negócio são imprescindíveis. 

As consequências imediatas.

Nem todas as mudanças no mercado imobiliário foram causadas pelo surgimento do COVID-19, porém com certeza as tendências que já estavam em curso, se intensificaram e ganharam ainda mais destaque.
Por exemplo, as dificuldades para estabelecer contato com clientes finais, apresentar produtos e fechar contratos, que já estavam sendo sentidas antes por imobiliárias que ainda estavam engatinhando em seus processos online, agora veem a necessidade ainda maior de modernizar-se.
Quando a situação começou a se agravar no país, as imobiliárias e seus corretores passaram por um processo, quase forçado, de digitalização, principalmente para dar continuidade a contratos que já estavam em andamento, finalizando o processo de venda e/ou locação de maneira segura para todas as partes.


Manter o relacionamento com os clientes


Uma pesquisa feita pelo Grupo Zap, no mês de abril, demonstrou que devido às incertezas econômicas, os consumidores têm optado por adiar a decisão de compra e locação. O ideal é aproveitar das ferramentas digitais para manter o contato para aproximar-se dos clientes em processo de negociação. Como já comentamos, as tecnologias aplicadas ao mercado imobiliário, como a IZEE, permitem abreviar alguns processos que tradicionalmente ocupam grande parte do tempo do corretor.
É importante frisar que o comportamento mais autônomo dos clientes é uma tendência que já estava aparecendo antes da pandemia, cada vez mais eles têm desejado o acesso cada vez mais direto às informações necessárias para tomarem suas decisões.


Mudanças previstas para o futuro

A economia e o mercado imobiliário não voltarão magicamente para o patamar que estavam no final de 2019, com uma uma grande contração prevista para o segundo trimestre deste ano de 2020.
É difícil prever o que irá acontecer com os preços dos imóveis nos próximos meses, cada imóvel será único, o padrão por amostragem não fará mais efeito e o Big Data será a principal ferramenta de análise imobiliária a partir de então.
Os micro-apartamentos que estavam se popularizando, aparentemente não serão mais tão procurado. Com o fim da quarentena, o comportamento previsto é que os moradores de pequenos espaços busquem mais m². Além disso, varandas, terraços e rooftops que já são comodidades valorizadas, serão ainda mais procuradas e o espaço do escritório em casa também se tornará uma oferta mais padrão. 

Ainda é difícil prever como será o “novo normal” do mercado, mas é certo de que a atual popularização de softwares e ferramentas digitais que já permeavam o setor, se tornarão essenciais.
Não perca tempo, traga sua imobiliária para a IZEE e mantenha-se relevante no mercado de locação!